QUEM SOMOS NÓS

Somos uma equipe de advogados que, conscientes das transformações pelas quais todos os setores da sociedade atravessam, em meios cada vez mais complexos e digitais, entende que a Advocacia também deve ser exercida de maneira disruptiva/inovadora.

Sander-e-Cella-Direito-Empresarial-Logo-Quadrada

Atuamos com o Direito Empresarial, Direito de Startups e Inovação, Direito Digital, Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), GDPR – General Data Protection Regulation (União Europeia), Compliance Digital, Direito Imobiliário, Direito Societário, Direito Tributário, Direito do Trabalho, Investimento Anjo, Captação de Recursos, Contratos empresariais, Propriedade Intelectual, Planejamento de Sucessão Empresarial, Holding, Agrobusiness, Investimentos Estrangeiros, Recuperação Judicial e Extrajudicial, Falências, bem como na Assessoria Jurídica Empresarial Preventiva.

  • Nosso foco é buscar soluções modernas e eficazes no meio empresarial, de forma estratégica e segura, visando sempre superar os resultados esperados pelo cliente.

O Escritório Sander Advocacia Empresarial iniciou suas atividades no ano de 2000, atuando em áreas relacionadas às atividades empresariais, com ênfase em Assessoria Jurídica Empresarial e especialização em Direito Ambiental, Direito do Trabalho, Direito Tributário e Recuperação Judicial de Empresas e Falências. E, no ano de 2015, tornou-se Sander & Cella – Direito Empresarial (inscrita na OAB/SC sob o n.º 2.432/2015), agregando outras importantes especialidades.

Sander-e-Cella-Direito-Empresarial-Direito-Digital-Startups-Investimento-Anjo

ÁREAS DE ATUAÇÃO


Direito Digital

Direito Digital

Recuperação Judicial e Falências

Recuperação Judicial e Falências

Direito Tributário

Direito Tributário

Direito Societário

Direito Societário

Direito Imobiliário

Direito Imobiliário

Agrobusiness

Agrobusiness

Investimentos

Investimentos

Contratos Empresarias

Contratos Empresarias

Direito do Trabalho

Direito do Trabalho

Nossa Equipe


Vanessa Cella Sander

Advogada especialista em Direito Público, Ciências Penais, Direito Penal e Processual Penal e Pós-graduanda em Direito Imobiliário.

Andrei Bueno Sander

Advogado especialista em Gestão Empresarial e Pós-graduando em Direito Digital e Compliance. Professor de Direito Empresarial.

Notícias

Vídeo de Apresentação do Escritório de Advocacia - Sander & Cella - Direito Empresarial

Telefone

(49) 3304-2222

FOLLOW US
Nosso Escritório

Av. Porto Alegre n. 427-D,

Ed. Lázio Executivo, Sala 507

Centro – Chapecó – SC

andrei@sanderecella.com.br

 (49) 99112-0032

www.sanderecella.com.br

“Os empreendedores estão criando o que vai ser a sociedade no futuro”, diz André Barrence

Durante o Festival de Inovação e Cultura Empreendedora, o diretor do Google for Startups conversou com Camila Junqueira, da Endeavor

O papel dos empreendedores não é o de apenas seguir as leis, mas de construir valores que irão guiar a sociedade e a legislação no futuro. Essa foi a discussão que aconteceu na manhã desta terça-feira (04/12) entre Camila Junqueira, diretora-geral da Endeavor Brasil, e André Barrence, diretor do Google for Startups no Brasil. Na opinião dos dois, os empreendedores e os negócios de sucesso são aqueles que conseguem enxergar tendências e trabalhar pensando no futuro.

A visão dos empreendedores sobre o que é ser ético e honesto, diz Camila, mudou muito ao longo dos últimos anos. “Quando a Endeavor chegou no Brasil [há 18 anos], era um desafio selecionar quem acreditasse ser possível crescer sem manobras nas contas, para driblar o excesso de tributação no Brasil”, afirma. “Hoje, isso não é sequer uma questão. Precisamos trabalhar para diminuir a complexidade e a burocracia, mas burlar a lei não é mais uma discussão”. Atualmente, diz ela, vários empreendedores colocam no seu negócio valores que ainda não são lei, mas que podem vir a se tornar em 5 a 10 anos, como a preocupação com a sustentabilidade, por exemplo.

Para Barrence, além de ser inaceitável burlar a lei, isso “também reduz o seu valor percebido enquanto empresa e empreendedor”. Segundo ele, empreendedores precisam estar atentos aos impactos de seu negócio na sociedade como um todo. Isso tem um valor ético, mas também é uma questão de negócios. “Considero os valores socioeconômicos e ambientais como os mais importantes porque, apesar de intangíveis, são os que geram valor no longo prazo”.

“As leis são mais lentas do que a evolução da sociedade”, diz Barrence. Por isso, a importância da cultura dentro das empresas, que muitas vezes serve como uma forma de “ir um passo além da própria lei e criar boas condutas para construir o que vai ser a legislação no futuro”.

Um exemplo, segundo Camila, é o desperdício e o excesso de lixo e resíduos gerados pelas indústrias. “Não há nenhuma lei sobre isso, mas alguns empreendedores trabalham nisso há alguns anos, especificamente para reduzir o desperdício e trazer matérias-primas mais sustentáveis, olhando lá para a frente, pensando no que talvez um dia vire lei”, diz.

Foi o caso, segundo Barrence, das legislações sobre proteção de dados. “Existem questões na lei que são cuidados que todo e qualquer empreendedor que trabalha com dados deveria ter. É uma maturação, e era óbvio que o mercado iria caminhar nessa direção de dar mais segurança aos dados”, afirma. Os empreendedores que já se preocupavam com essa questão mesmo antes da lei, diz ele, já saem em vantagem em relação aos demais.

Durante o Festival de Inovação e Cultura Empreendedora, evento organizado por Época NEGÓCIOS, Pequenas Empresas & Grandes Negócios e Valor Econômico, Camila ressaltou que esses valores se tornam diferencial competitivo para as empresas. “As pessoas hoje buscam marcas que acreditam nos mesmos valores que elas e olham para as práticas das empresas”. Antes, diz ela, era raro que o consumidor pensasse nisso para escolher entre uma marca e outra, mas hoje esse dado pode ser crucial para o crescimento.

As tecnologias, afirma Barrence, podem ajudar nessa construção de marca. “Nunca foi tão fácil ser honesto”, diz. Em paralelo, criou-se um grande mercado em torno da transparência, com empresas focadas em tornar as informações e as regulamentações acessíveis, como as chamadas regtechs.

POR DANIELA FRABASILE

Fonte: Época Negócios.

View on Facebook

6 days ago

Sander & Cella - Direito Empresarial

Fundadores: "Poucas fintechs passaram por provas de choque" | Valor Econômico
valor.com.br

View on Facebook